laptop-tablett hybrid recensioner http://sverigepiller.com/ Palm beach gardens vårdcentral
A ÚNICA EMPRESA QUE EMPREGA OURO DE LEI E AUTÊNTICAS PEDRAS PRECIOSAS NOS SEUS FAC-SÍMILES DOS CÓDICES MAIS BELOS DO MONDO
Série ouro

Bíblia de São Paulo

Bíblia de São Paulo

Características

Localização actual:

© Basílica de São Paulo Extramuros, Roma. Século IV. Ano 870 circa.

Língua:

Latino.

Ilustrações:

24 miniaturas de títulos, 4 tábuas de concordância, 35 páginas decorativas, 91 iniciais.

Extensão:

672 páginas de pergaminho.

Dimensões:

44,8 x 34,5 cm.

Partilhar:

facebook_sharer twitter_share mail_share

A mais luxuosa e ilustrada bíblia carolíngia

A bíblia que oficiou a coroação dos papas

• No 1646, este manuscrito da Bíblia da última época carolíngia restaurou-se na abadia româna de São Paulo e, como se tinha feito precedentemente, foi encadernada outra vez.

• Em origem, a representação do soberano no trono que se vê no inicio do livro (fól. 1r) encontrava-se no final. A imagen e os versos adjuntos referem-se a um rei Carlos. A questão de se tratava-se de Carlos III ou de Carlos o Calvo, muito discutida ao princípio, foi resolvida há tempo pelos investigadores a favor do último. A súplica expressada no poema dedicado por um heredeiro legitimário se relacionou com a segunda esposa do rei carolíngio da Franconia ocidental, com Richildis, reproduzida ao lado direito do soberano no trono. Lamentavelmente, o monograma do globo nas mãos do rei não se pode decifrar de forma únivoca. Todavia, se temos em conta a situação comentada do doador, a data da Bíblia seria posterior ao matrimónio contraído no ano 870 e anterior à sua coronação como imperador no ano 875, um cálculo temporal que também é convincente por questões de estilo.

• A maravilhosa Bíblia, que contém os textos do Velho e do Novo Testamento, com as suas decorações supera todas as bíblias da época carolíngia.

• Compreende 35 páginas íncipit decoradas, as que introduzem fragmentos do manuscrito. Os inicios dos capítulos da Génesis estão escritos, como os nomes dos antepassados de Jesus Cristo, em ouro e prata sobre púrpura, a dois colunas emolduradas por acantos; quatro tábuas de concordância apresentam numerosas decorações ornamentais e figurativas nas arcadas; o texto compreende muitas inicias e, principalmente, 24 miniaturas em página inteira (em origem havia uma mais no livro de Job, com vestígios ainda visíveis) formam o cíclo mais extenso de todas as bíblias iluminadas carolíngias que nos chegou.

• Além da imagem de dedicação já mencionada, o observador pode contemplar a representação de São Jerónimo, 14 ilustrações de livros do Velho Testamento, uma Majestas Domini e as figuras dos quatro evangelistas, assím como uma ilustração da história dos apóstolos, das epístolas de São Paulo e do Apocalipse. Na realização dos passagens do texto participaram diferentes artistas. Um mestre principal é Ingobert, que encontramos também em outro livros de aquela época e de aquel panorama artistico.

• O estilo das miniaturas motra os recursos, habituais sob os auspicios de Carlos o Calvo, da produção de livros do seu antepassado do mesmo nome, Carlos Magno de Aquisgrão. Além deste tónica geral encontram-se ecos detalhados de bíblias enormes e luxuosas criadas pouco antes em Tours, como a célebre Bíblia de Vivien, que também foi encargada por Carlos o Calvo, além das reminiscências da Bíblia de Moutier-Grandval, completada o ano 840 circa e que nesse momento encontra-se na British Library de Londres. Além disso, quer na concepção geral das figuras, quer na ornamentação, a Bíblia de São Paulo constata-se a influência das correntes artisticas vigentes então em Reims e que a suas vez, inspiravam-se em motivos da Antiguidade clásica tardia. Também o tipo de escritura, apesar de algumas oscilações na qualidade, refere-se ao importante scriptorium do arcebispo Hinkmar de Reims (845-882). Todas estas influências fundem-se e prestam ao manuscrito, todo o seu luxo exterior, um aspecto típico da última fase carolíngia e da produção de manuscritos da escola Palatina de Carlos o Calvo.

• Doador: Rei e posterior imperador Carlos o Calvo (reinado 849-877).

• Proprietários anteriores: O manuscrito chegou a Roma provavelmente no ano 875 como obséquio de Carlo o Calvo ao papa João VIII na ocasião da coroação como imperador. Documenta-se em Roma no século XI. Na época do papa Gregório VII (papado 1073-1085) encontrou-se na abadia de São Paulo.

• A edição está limitada a 1.000 exemplares, entre os que compreende-se uma série especial de 75 realizados em papel pergamenata por encargo de Patrimonio Ediciones.

• O Gruppo Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato – Casa de Moeda da República Italiana – custodiou temporalmente nas suas oficinas de pré-impressão e impressão o manuscrito original, a partir do inicio até o final. Este dado acredita-se na acta notarial e é garante da qualidade excepcional e fidelidade do fac-símile respeito ao códice original.

Opiniões dos Clientes e dos expertos